Eu queria fazer essa réplica em forma de comentário no blog do Silvio (Desabafos & considerações), mas minhas idéias foram surgindo do tamanho de um texto. E apesar de ter ficado desestruturado (to sem tempo de organizar idéias) o texto segue aqui:


Bom, vamos aos pontos pertinentes! Como de praxe eu sou o motivo do nascimento desse texto,certo ? (ou pelo menos 10% do motivo da criação deste)Se isso é verdade, não sei em quem você se inspirou por completo, porque essa 'descrição' não condiz comigo. Pelo menos eu não me lembro de ter dito ser 'auto-suficiente', porque não sou & ninguém é. Auto-suficiência e solidão são coisas contraditórias. pessoas auto-suficientes não devem ( ou deveriam) ser solitárias. O que eu afirmo categoricamente, é que não acredito que exista ‘aquela alma-gêmea’ que aparece nos filmes e não na vida. (pelos motivos já debatidos antes ^^) O que eu to querendo dizer é que afirmar não acreditar em alma-gêmea & ser auto-suficiente, são coisas distintas. Como afirmei naquele texto, talvez nós encontramos nossa alma-gêmea na nossa satisfação pessoal & isso não exclui por completo a possibilidade de viver um amor. Encontrar algo que te dê prazer, pode ser aquilo que você procura numa pessoa e obviamente não vai achar. A gente não precisa encontrar a alma perfeita pra viver um amor.
A discussão sobre almas-gêmea & sobre ser solitária, me parece em alguns pontos, assuntos que podem tender a dois caminhos diferentes. Pelo menos no meu ponto de vista.
Quando você namora alguém na adolescência, na maioria das vezes aquela não é a sua ‘alma-gêmea’ mas isso não te impede de viver um amor ou uma paixão ou um limerence. & as duas primeiras opções não fazem parte do currículo de uma pessoa solitária. Então você pode passar o resto da vida procurando alguém pra completar da forma que você acha certa e no meio dessa procura você pode não ser solitária.
Ser solitária pode ser sim por opção! Mas pode ser minha opção ou opção dos outros.
E quando digo solidão, estou dizendo a falta afetiva que faz um abraço ou um beijo na hora certa. Não estou falando da solidão das pessoas que não tem amigos. Porque essa merece outra discussão :D
Há também um limite entre querer ficar sozinho & ser sozinho!( que seu eu não me engano, é o que você afirma com outras palavras.) Há dias em que falar não resolve, chorar não resolve, gritar não resolve. Dentre tudo, o que parece cabível é o silêncio. & quando esses dias são constantes, a gente tende a acreditar que isso é solidão. Tipo quando a limerence dura anos e a gente pensa que é amor.
Pois então Silvio, concordo com você quando diz que não se deixar envolver por amigos torna as pessoas sozinhas por querem, e afirmo que esse não é o melhor esboço de mim mesma.
Estou tornando público que na minha essência, tem certas coisas que precisam ser guardadas, precisam ser oprimidas e transformadas em textos, poemas, fotografias, etc. E isso não significa não desabafar quando preciso. Pois então concordo com você quando diz que me dizer sozinha pode ser um equívoco, mas ainda não inventaram a palavra que descreve o que sinto. Até lá vou chamar de tédio eterno, porque esse é qualidade de quem apenas estar sozinho e não necessariamente é sozinho.

2 comentários

  1. Silvio Campos on 13 de junho de 2010 14:52

    Na verdade oqê inspirou meu post foi o sub do seu MSN: "I fell lonely, but that's Ok" Aí eu comecei a pensar no assunto.. Nao que voce seja solitária, mas você se sente solitária.. e nao que seja por escolha ou por qlqr outra coisa.. =D

     
  2. neojoy on 12 de agosto de 2010 11:34

    Nossa, faz tempo que não venho aqui. Tava bem distante da vida blogger, postando só algumas coisas de vez enquando. Espero que vc ainda esteja. Sempre é um prazer ler o que escreve. Falows